Mesmo com multa, Gleisi diz que manifestantes não irão deixar imediações da Polícia Federal

Senadora informou que o partido ainda não foi notificado, mas que já está verificando todas as medidas jurídicas cabíveis para continuar no local

Foto: Instituto Lula

Mesmo com multa fixada em R$ 500 mil por dia, a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, disse neste domingo (15) que o acampamento de apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva será mantido nas imediações da Superintendência da Polícia Federal, no bairro Santa Cândida, em Curitiba. Em entrevista coletiva, a senadora informou que o partido ainda não foi notificado, mas que já está verificando todas as medidas jurídicas cabíveis para continuar no local.

“Primeiro que o processo é viciado, uma vez que o Ministério Público não foi ouvido. Em seguida temos esse fato de uma sentença inexequível, já que não é possível intimar todas as pessoas que estão aqui para cobrar R$ 500 mil. Então, quando isso acontece, as sanções acabam ficando inaplicáveis”, comentou a presidente do PT.

Neste sábado (14), a Justiça do Paraná fixou multa de R$ 500 mil por dia aos manifestantes de movimentos favoráveis e contrários ao ex-presidente Lula que ocupam o entorno da Superintendência da PF. São réus a Central Única dos Trabalhadores (CUT); o Partido dos Trabalhadores (PT/PR); Movimento Curitiba Contra Corrupção; Movimento Brasil Livre (MBL) e Movimento UFPR Livre.

Questionada sobre os conflitos com alguns moradores da região, Gleisi afirmou que os manifestantes estão abertos ao diálogo para que todos possam conviver harmoniosamente no local. “Alguns moradores estão de fato reclamando e para isso estamos conversando. Não temos problema em movimentar as barracas, mudar de local, mas o ato como um todo segue aqui porque é onde o presidente Lula está”, disse.

Na quarta-feira (17), irá lembrar os dois anos da aceitação do processo de impeachment de Dilma Rousseff. O PT deve prosseguir no local até lá e buscar reverter a decisão judicial. Caso não consiga, já há estudos dentro do partido para mudar o local do acampamento.

“Nós avisamos”

Por fim, Gleisi ainda comentou os atos de apoio ao ex-presidente que estão acontecendo em algumas cidades brasileiras. Para ela, isso é uma demonstração de que Lula não é um preso normal. “Enquanto não soltarem lula, as pessoas vão reagir desta maneira. Eles não estão lidando com uma pessoa normal, mas sim com o maior líder popular desse país. Se os algozes do ex-presidente não entenderem isso, vão continuar tendo problemas”, concluiu a senadora do Paraná.

Fonte: BandaB