Integração entre os municípios é a chave para o desenvolvimento de regiões metropolitanas

Audiência pública debate desenvolvimento de políticas públicas integradas para os municípios das Regiões Metropolitanas / Foto: Dálie Felberg/Alep

É comum pessoas viverem em uma cidade, trabalharem em outra, buscarem atendimento de saúde em uma terceira e usarem a estrutura de lazer em uma diferente. É a rotina dos chamados cidadãos metropolitanos. Como melhorar a qualidade vida de quem vive em regiões metropolitanas? Com o desenvolvimento de políticas públicas integradas entre os municípios.

É o que faz o Programa Pró-Metrópole, tema da Audiência Pública “Explanação do Pró-Metrópole – Grande Curitiba, uma cidade só, ideias para o Paraná”, realizada nesta quarta-feira (26) no Plenarinho da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep). “Precisamos estimular o desenvolvimento produtivo integrado entre os municípios das regiões metropolitanas. Uma ação estruturada para novos investimentos que garantam a geração de emprego e a distribuição de renda, melhorando a qualidade de vida das pessoas”, definiu Alexandre Schlegel, coordenador do programa.

A mesa de discussão reuniu deputados, representantes do Pró-Metrópole, da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec), além de prefeitos de municípios da Região Metropolitana de Curitiba (RMC). A audiência foi uma proposição da Comissão de Relações Federadas e Assuntos Metropolitanos, presidida pelo deputado Michele Caputo (PSDB).

A Região Metropolitana de Curitiba, por exemplo, reúne 29 municípios, 1,2 milhões de trabalhadores, 90 mil estabelecimentos comerciais, 30% da população do Paraná, sendo responsável por 39% do Produto Interno Bruto (PIB) estadual. Para Caputo, a discussão permite a elaboração de políticas públicas integradas para uma região com números tão expressivos. “Hoje temos a figura do cidadão metropolitano. Precisamos de soluções conjuntas entre os municípios a fim de elaborar políticas públicas para gestão do transporte, da saúde, do lixo, do abastecimento. A integração é necessária para o desenvolvimento econômico”, lembrou.

O vice-prefeito de Curitiba, Eduardo Pimentel, concordou. “Hoje as regiões metropolitanas acabam se tornando uma cidade só. Todos os assuntos, sejam problemas ou soluções, tendem a ser interligados. Estamos dando atenção para isso e, como representante da Capital, queremos fazer parte desta discussão”, afirmou.

Pró-Metrópole – O Programa Pró-Metrópole é uma ação regional que busca promover o desenvolvimento socioeconômico dos municípios da RMC por meio de um processo participativo de cooperação entre os atores públicos e privados para o planejamento de estratégias de desenvolvimento integrado. O Programa propõe promover o desenvolvimento de forma estruturada e duradoura, melhorando a economia dos municípios e a qualidade de vida da população.

“Nosso foco de atuação é o cidadão metropolitano”, explicou o presidente do Pró-Metrópole e vice-presidente do Sistema Federação das Indústrias do Estado do Paraná (FIEP), Hélio Bampi. “O trabalho desenvolvido pelo programa é fundamental para a RMC, trazendo resultados expressivos para a população. Somos parceiros na busca do desenvolvimento”, comentou o diretor-presidente da Comec, Gilson de Jesus dos Santos.

Expansão – Para o deputado Michele Caputo, as experiências do Pró-Metrópole na RMC podem ser espalhadas para outras regiões do Estado. “Hoje, 180 municípios do Paraná ficam em regiões metropolitanas. Queremos replicar o que acontece em Curitiba, através da atuação do Pró-Metrópole, para locais como Maringá e Londrina”, disse.

Os parlamentares que participaram da audiência concordam. Segundo o deputado Delegado Recalcatti (PSD), a discussão é importante para um processo de expansão de ideias. Já o deputado Galo (PODE) disse que o debate identifica as necessidades dos municípios do Paraná. “O interior é carente deste tipo de discussão e experiência”, lembrou o deputado Arilson Chiorato (PT).

Fonte: ALEP