Governador lança o Programa Escola Segura em Foz do Iguaçu

O governador Carlos Massa Ratinho Junior participam do Lançamento do programa Escola Segura no Colégio Estadual Ulysses Guimarães em Foz do Iguaçu Foto: Geraldo Bubniak/ANPr

O governador Carlos Massa Ratinho Junior lançou nesta quinta-feira (9), em Foz do Iguaçu, no Oeste do Estado, o programa Escola Segura, que vai reforçar a segurança no entorno das escolas da rede estadual. O lançamento aconteceu no Colégio Estadual Ulysses Guimarães, uma das 51 unidades que recebem, neste primeiro momento, os policiais militares da reserva que farão atividades preventivas nas escolas.

O programa será implementado inicialmente em colégios de Foz do Iguaçu, cidade de fronteira internacional; Londrina, segunda maior cidade do Paraná; e na Região Metropolitana de Curitiba. O Escola Segura já começa a funcionar nesta semana em todas essas cidades. Em Foz do Iguaçu oito colégios serão contemplados.

O governador ressaltou que o projeto, inédito no Brasil, é um compromisso seu de campanha. “É um compromisso com o Paraná que conseguimos tirar do papel. Nossos policiais ficarão nas portas das escolas para cuidar dos alunos, dos professores e dar tranquilidade para os pais”, afirmou Ratinho Junior. “Esses profissionais de segurança foram treinados, capacitados, para dar todo amparo a esses colégios e também espantar os malandros que ficam na porta das escolas para vender droga”.

A escolha dos locais para implantação, destacou ele, levou em conta critérios técnicos que englobam número de alunos, tamanho das escolas e se elas estão localizadas em bairros violentos. “Foz do Iguaçu tem a questão estratégica de ser cidade de fronteira, com uma série de problemas para enfrentar”, explicou. “Em seguida vem Londrina, que é uma cidade grande, e a Região Metropolitana de Curitiba, devido aos índices de violência”.

No evento, Ratinho Junior destacou a redução dos índices de criminalidade no Paraná no primeiro quadrimestre. “Reduzimos em 32% o número de homicídios e em 46% o número de latrocínios. É um recorde em tão pouco tempo. Comparado com os demais estados do Brasil, o Paraná é um dos que mais tem baixado os índices de violência”.

O prefeito de Foz do Iguaçu, Chico Brasileiro, afirmou que o projeto é fundamental para a cidade. “Fico feliz pelo Governo do Estado ter escolhido Foz. Nossas escolas são estratégicas para o desenvolvimento do nosso município. Não podemos enxergar a cidade crescendo e se desenvolvendo se não tivermos escolas seguranças”, disse.

NA PRÁTICA – O programa Escola Segura é uma iniciativa do Governo do Paraná, em conjunto com a Polícia Militar e as Secretarias de Estado da Educação e do Esporte e da Segurança Pública e Administração Penitenciária. O objetivo é trazer mais segurança e integrar a comunidade escolar com a PM.

O trabalho é um complemento às atividades preventivas já desempenhadas pelo Batalhão de Patrulha Escolar Comunitária (BPEC), unidade responsável pelo treinamento dos policiais militares voluntários e que coordenará o programa nos colégios estaduais.

A Polícia Militar reforçará ações preventivas, desenvolvendo atividades que envolvam estudantes, pais e responsáveis. Também inclui os professores e a coordenação pedagógica das unidades de ensino para inibir crimes e delitos, além de incentivar a participação da comunidade escolar em ações para coibir o tráfico e uso de drogas, violência, bullying e dano ao patrimônio público.

Além da presença física do policial, o programa também prevê o suporte de unidades móveis da Polícia Militar e integração com o serviço de inteligência da área de segurança.

“O programa fará um resgate do espaço em torno das escolas. Além da segurança física das crianças, o policial será um tutor para orientar até ações de Defesa Civil em casos de incêndio ou emergência”, afirmou o comandante-geral da PM, coronel Péricles de Matos. “É um serviço completo de ações para a segurança dos estudantes”.

A presença de policiais nos colégios estaduais será em dois turnos: das 7h às 15h e das 15h às 23h. Cada escola contará com a presença de dois policiais voluntários.

A diretora do Colégio Ulysses Guimarães, Iolanda Prudente, afirmou que há uma expectativa muito grande dos pais e de toda a comunidade escolar com o programa. “Ele veio na hora certa, quando existe muito medo e tensão. No entorno da escola já aconteceram casos de violência. Os policiais vão auxiliar muito e nos darão um amparo muito grande”, disse.

A unidade conta com cerca de 1,7 mil alunos e funciona em três turnos, atendendo desde o 6º ano do Ensino Fundamental até o 3º ano do Ensino Médio.

TREINAMENTO – Neste primeiro momento, foram selecionados 100 policiais da reserva que no começo do mês iniciaram os cursos de treinamento e aperfeiçoamento para atuar nas unidades educacionais. Participam do programa policiais que estava na reserva e se inscreveram em um edital, passaram por uma seleção para confirmar se atendiam os critérios do programa, além de testes físicos e psicológicos.

Na etapa seguinte, eles participaram do curso de treinamento e aperfeiçoamento, que teve duração de 20 horas. Foram capacitações pensadas para integrar o profissional à comunidade escolar e incluíram conhecimentos gerais sobre o policiamento escolar, abordagem policial e capacitação de tiro.

O cabo Carlos Remboski, que estava há dois anos na reserva, vai atuar Colégio Estadual Ayrton Senna. “Eu sentia que faltava alguma coisa, e agora resolvi voltar para ajudar a comunidade com uma missão nova, trabalhar com jovens e crianças, com muita motivação”, destacou. “No treinamento relembramos as técnicas e noções de regimento interno dos colégios e o que o Estatuto da Criança e do Adolescente preconiza nessas situações. Essas instruções vão ser sempre aprimoradas”, explicou.

PRESENÇAS – Participaram da solenidade os secretários de Estado da Segurança Pública e Administração Penitenciária, Luiz Felipe Carbonell, e da Infraestrutura e Logística, Sandro Alex; o chefe da Casa Civil, Guto Silva; o chefe de Gabinete da Governadoria, Daniel Villas Bôas; e os deputados estaduais Hussein Bakri, Marcel Micheletto, Soldado Fruet, Delegado Fernando e Missionário Ricardo Arruda.

Fonte: AEN